Notícias

Grupo de oposição a Leco, “Força São Paulo” apresenta manifesto e reivindicações

1

O presidente do São Paulo FC, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, recebeu um grupo de conselheiros neste sábado (23) de manhã, no CT da Barra Funda. Representando 22 integrantes do Conselho Deliberativo, o grupo Força São Paulo, que faz oposição à atual gestão, apresentou um planejamento para, na visão deles, tentar ajudar o clube a sair da crise que enfrenta nos últimos anos.

No início da tarde desse sábado, tivemos acesso ao documento de manifesto e reivindicações do grupo “Força São Paulo” que é formado por Eduardo Alfano, Dorival Decoussau, Jorge Afonso, Eduardo Barros, Gabriel Aidar, Luiz Vicente, Márcio Sanzi , Odair Busoli, Olten Aires, Opice Blum, Paulo, Vasquez, Ricardo Haddad, Rodolfo Schimidt, Benedito Ruy Barbosa, Silvio Cassiano, Daurio Speranzini , Newton Bittencourt , Renato Ricardo , Luiz Cholfe, Renato Pellegrino , Renato Blum, Tadeu.

Leia na íntegra e com exclusividade

“O São Paulo Futebol Clube e o Futuro

Produzido pelo Grupo Força São Paulo

O Fato: O SPFC tem sofrido nos últimos anos com ausência de títulos importantes, caracterizando péssima performance desportiva, fato esse que tem deixado seus 20 milhões de simpatizantes/torcedores, insatisfeitos e frustrados. Por outro lado, e ao contrário, o departamento amador tem obtido excelentes resultados com vitórias frequentes em diferentes categorias. O mesmo departamento amador tem sido responsável por importante fonte de receita com vendas de jovens talentos revelados por sua base amadora.

O SPFC se caracteriza como um dos principais clubes na America Latina, se não o principal, responsável por comercializar seus talentos, em numero de jogadores e valor monetário. Apenas o River Plate supera o SPFC em valores, mas não em de número de jogadores vendidos. A venda dos jogadores da base ajudam a instituição a recompor seu fluxo de caixa, o que caracteriza uma importante fração de seu faturamento, totalmente diferente de qualquer clube Europeu, onde patrocínio, bilheteria e venda de direto de transmissão representam 90% da receita.

O exposto acima é acompanhado por uma sofrível performance financeira, gerando caixa negativo, incrementando suas dividas em diferentes linhas do balanço. Mais especificamente, dívidas bancarias, tributárias e contas a pagar com jogadores contratados, que foram mitigadas pela referida venda de jogadores da base para acomodar seu caixa. Encontramos inúmeras vendas de jogadores profissionais sem a transparência desejada no que diz respeito ao seus termos de contrato. A estrutura societária que consolida Futebol e Clube foi discutida. Ficou claro que o clube parece uma distração para os gestores da instituição como um todo. Existe uma dicotomia onde o Clube elege os conselheiros para depois faze-los dedicar seu tempo para o Futebol.

O Futebol representa mais de 80% das receitas e o atual estatuto indica que 100% dos membros de seu conselho de administração não podem influenciar no Futebol, O que define uma clara distorção de governança além do alto custo para a instituição. Dentro do aspecto da governança e propósito da instituição, questões foram levantadas sobre quem deveria eleger o Presidente, e alguns membros deste grupo externaram a possibilidade e ou importância de que a torcida pudesse participar desta eleição, mesmo que proporcional. Esta participação deveria estar conectada com o programa socio-torcedor.

O Estadio Cicero Pompeu de Toledo foi também alvo de discussão. Entende o grupo que o Estádio necessita atenção especifica e, quem sabe, uma unidade de negocio autônoma. Há que pensar em diferentes modelos de negócios que possam facilitar e proporcionar as inúmeras transformações necessárias, tal qual estacionamento, mobilidade, restaurantes. Cotia e Barra Funda, não parecem coexistir de forma complementar. A decisão de manter a Barra Funda nos parece improdutiva. Cotia tem toda estrutura suficiente para abrigar o profissional e amador. Hoje replicamos toda a infraestrutura e investimos de forma ineficiente nestas duas estruturas replicando áreas de suporte como restaurante, manutenção, etc. Integração e sinergia inestimável neste caso. Concorrência evoluiu muito rápido nos últimos anos, aproveitando de nossa centralização de poder, típico do sistema presidencialista puro.

A gestão em termos de transparência não teve a evolução necessaria. De fato, os processos tem se mostrado ineficientes ou inexistentes e facilitam a possibilidade de ocorrer distorções em termos de controles internos em todas as áreas. A área medica do departamento profissional é apenas um exemplo da falta de normas e procedimentos.

Inovação – o mundo gira hoje em torno da área digital e através dela, controles internos e principalmente a informação integrada define as estratégias mais importantes. Necessitamos nos movimentar para essa tendência e desenvolver sistemas com plataformas digitais. Acreditamos que devemos compartilhar o acreditamos o que seria nosso propósito e ambição. A partir do propósito qualquer instituição deve iniciar o planejamento estratégico. O propósito caracterizaria nossa razão de existir.

Segue abaixo nossa definição de propósito :

Propósito “O SPFC , clube sediado na maior cidade da America Latina e que com orgulho ostenta seu Nome, existe prioritariamente para retribuir a paixão de seus torcedores convertendo tal paixão em êxito desportivo de forma sustentável e transparente. Torcedores satisfeitos e orgulhosos são nosso primeiro propósito. Ambição Sua ambição é ser a Torcida e Clube de maior crescimento do Futebol do Brasil, com uma receita projetada de US$ 1 Bn em 2026 , com exposição e reconhecimento internacional de boas práticas, marketing eficiente e performance de gestão esportiva .”

Os 10 pontos ….da nossa Jornada

1. Implementar um novo conceito de governança contemporanea :

a. Com três unidades de negócios. Futebol, Estádio e Clube.

b. Cada unidade de negócios(UN) será autônoma e deverá responder por sua performance financeira e esportiva, isoladamente

c. Cada UN será comandada por seu Diretor Geral

d. O Diretor Geral de Futebol terá a responsabilidade de atingir os objetivos financeiros e esportivos, gerenciando os recursos que lhe serão dados modernizando-os com relação a qualidade de mão de obra, implementação processos e procedimentos transparentes, otimizando os custos e preservando e controlando os ativos mais importantes, os jogadores. Ao final, sua performance terá influencia direta na satisfação do nosso torcedor. Ele será responsável por toda gestão da base de futebol amador e profissional, profissionalizando a gestão da base em todos os aspectos, e amplificando a performance do departamento profissional.

e. O Diretor Geral de Estádio e infraestrutura – responsável pela performance da bilheteria, experiencia do torcedor no estádio, incremento de patrocinadores, ampliação de patrocínios no Estádio, naming rights bem como a redução dos custos de operação. no estádio em conjunto com marketing. A infraestrutura estará também sob sua responsabilidade.

f. O Diretor Geral para o Clube, que terá como objetivo otimizar seu resultado financeiro, bem como satisfazer e superar as necessidades dos sócios.

g. Criação de um grupo gestor substituindo o atual conselho de administração. A criação do mesmo deverá ter a validação do conselho deliberativo em votação por especialidade. O Presidente eleito deverá apresentar 3 nomes por área de atuação (1- marketing,1- Financeiro administrativo, 1-compliance, 1-construção cível/infraestrutura, 1 da área de serviços, 2 de futebol, 1 advogado). Estes nomes deverão ser selecionados por um headhunter, cabendo ao conselho deliberativo a definição de cada posição por votação.

h. As demais áreas, marketing, finanças e administração, manutenção, jurídico e outras reportar-se-ão ao Presidente. As mesmas áreas serão prestadoras de serviços para as três unidades de negócios.

i. Todos os cargos de diretoria mencionados acima deverão ser remunerados, assim como a área jurídica , marketing.

j. Nenhum membro do conselho poderá ser remunerado.

k. Um manual de contratações deverá ser criado e publicado, e com o apoio de headhunter, todos os candidatos deverão ser cuidadosamente selecionados de forma a alcançar os melhores profissionais de cada uma das especialidades do mercado. Membros do conselho podem participar neste processo , mas terão que abdicar de sua atividade como conselheiro.

2. O Presidente – Sócios do Clube e Sócios Torcedor elegerão três candidatos finais. Caberá ao CD, por votação, apontar o novo presidente. Dessa forma, os sócios torcedores e sócios do clube terão mais empoderamento e influencia na definição de seu presidente bem como nos rumos do clube. Apenas sócios torcedores em uma categoria premium terão direito a voto.

3. Criação de normas, procedimentos e objetivos em todas as áreas das três UN de forma a melhorar controles internos, responsabilidades e definir limites de autoridades. Muitas áreas apresentam a inexistência de normas e procedimentos gerando distorções importantes. O departamento médico é um exemplo de oportunidades de melhoria de gestão, com a implementação de prontuário eletrônico e acompanhamento continuo da saúde do atleta. Outro exemplo é a definição de normas com relação ao relacionamento comercial com agentes e comissionados em geral.

4. Transparencia – Criação de uma área de compliance que deverá monitorar toda e qualquer discrepância ou distorção com relação as normas pre-estabelecidas bem como relação com qualquer fornecedor de serviço ou produto. Neste caso, inclui-se também a relação com agentes e comissionados, monitorar transferência de jogadores e estabelecer transparência total na relação com famílias e jogadores da base. Criação de ferramenta “open report” capaz de dar ao associado e torcedor, de forma confidencial e anônima, a possibilidade de fazer denúncias que serão avaliadas por uma equipe especializada. Este serviço deverá ser terceirizados com companhia especializada a definir.

5. Adequar nosso estatuto conectado com as normas e procedimentos definidas acima.

6. Introduzir área digital, capaz de levar o Futebol à um patamar de gestão superior, compreendendo monitoramento de jogadores, profissionais ou não, próprios ou não, movimentação de nossa concorrência e apoiando a área de marketing digital reforçando nossa comunicação com a imprensa e torcedores. O futura da gestão passa por esta implementação.

7. Integrar a base com o profissional em Cotia e revisitar todo a estrutura de apoio que hoje existe. Uma transformação organizacional deve ser feita pela diretoria de futebol no sentido de maior modernidade e melhoria da qualidade de mão de obra. Deveríamos desinvestir da Barra Funda reduzindo as redundâncias de infra-estrutura otimizando custos.

8. Identificar parcerias de forma a utilizar melhor nossos ativos da base e profissional. Nem todos os nossos jogadores da base são aproveitados. Muitos são dispensados. A ideia é desenvolver acordos com pelo menos um clube de cada continente assim como clubes da serie B, C e D brasileira. Estes acordos podem ser de cooperação no desenvolvimento do atleta bem como de intercambio entre os clubes selecionados.

9. Estratégia e Marketing – dinamizar estrutura de marketing ( tb reforçando marketing digital) de forma a ter um comportamento mais propositivo, criativo e de mais inovação. Criação de novos modelos de parceira para potencializar a venda de camisas, patrocínios e direitos de transmissão necessitam profissional robusto e experiente a ser contratado no mercado.

10. Pesquisa de satisfação do torcedor e sócio – manter uma pesquisa de satisfação do nosso torcedor no que diz respeito a tópicos relacionados à performance da nossa administração e integrada com nosso propósito. Essa pesquisa conecta a Instituição com nosso torcedor considerando que o mesmo será também responsável pela indicação de nosso Presidente.”

Até o momento dessa publicação, a diretoria do SPFC se manifestou a respeito do manifesto do grupo político “Força São Paulo”. Aguardem novas atualizações.

Redação

São Paulo Digital

 

Crise não assusta e Luan se diz pronto para ser titular do São Paulo

Último artigo

Sem Hernanes, São Paulo relaciona 23 atletas para jogo contra Red Bull

Próximo Artigo

1 Comment

  1. Aparentemente são sugestões administrativas relevantes que sim, interferem no futebol. Pelo que foi falado anteriormente muitas dessas sugestões já fazem parte do novo estatuto. Questão que foi passada na imprensa e em muitos sites de notícias do SPFC é que foi pedida a demissão do Raí. Fato ou boato (hipótese). Mais uma questão: com a implantação dessas sugestões irá diminuir a influência dos conselheiros no futebol.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Veja mais Notícias